animais d'estimação


Franco Gentilini (1929). Nudo disteso. Óleo s/ tela, 80 x 97,5 cm.

10 comentários:

Anonymous disse...

Terá as vacinas em dia?

F.M.

Anonymous disse...

Parece-me calma, não tem açaimo pelo que não deve haver grande risco.

CS

aj disse...

F & C, eu cá fazia uma festinha ou outra mas não arriscaria muito mais

Anonymous disse...

aj, nem sabe quanto o lamento pelo receio do risco por si evidenciado... Há um aforismo que diz «quem não arrisca, não petisca», não é?

aj disse...

ela está a traçar ligeiramente a perninha.. se calhar, então, ainda vou lá dizer-lhe que pode fazer mal à circulação

MC disse...

pois está. depois da vossa conversa...

Anonymous disse...

Oh mc... acha mesmo que o que designa por «a nossa conversa» fez a mocita cruzar a perna? Ou refere-se a prejuízo na circulação? Preocupo-me, então.

CS

MC disse...

olá :)

o problema começa no título do post "...estimação" Qual estimação? depois ficam a arengar e ninguém se chega. salva-se o anónimo das 7,10 que deve ser do sexo representado. Claro que são de preocupar os problemas circulatórios. Mas a preocupação não leva a grandes resultados. ao menos peguem no leque.

Anonymous disse...

Ora mc, então não há quem se «chegue», valha-nos a santa?!?! O que me parece é que a mocita «chega», e muito, a todos! Agora o leque... vejamos, o leque foi no passado um fortíssimo componente dos jogos de sedução mas pouco mais é, actualmente, que o símbolo da perimenopáusica «à El Corte». Pois então, o leque... bem, o leque... até fico sem palavras porque não sei o que escrever com o que me vem à ideia: um certo tipo de literatura «pouco canónica» pª mentes muito espirituais. Y así me quedo...

A anónima das 7.10

MC disse...

ó anónima! o santo padroeiro deste estabelecimento não me parece pessoa preocupada com a canonicidade dos coments. faça favor.

Claro que a mocita chega. Todo o conjunto é um regalo. Eu sou alérgica a tudo quanto é desperdício. Então, também o leque, não está ali por acaso. Imagine algo começado assim: a mocita, num ligeiro entorpecimento, dos membros e da espera, pressente uma presença, volta-se lentamente, e num assomo de timidez, saca do leque e faz um pequeno jogo a tentar tapar o muito que tem descoberto...

e o resto, fica para quem se chegue.